Conheça as Ilhas Salomão adversário de Portugal no Mundial



A história do futsal das Ilhas Salomão envolve o trabalho missionário de um pastor australiano, jovens apaixonados pelo desporto, treinos em uma igreja e um técnico gaúcho, que já usou até um camião para dar boleia aos jogadores da seleção.

As Ilhas Salomão ficam na Oceania. Um país pequeno, com pouco mais de 500 mil habitantes e, como o próprio nome sugere, formado por várias ilhas. Dos mais variados tamanhos, centenas delas são banhadas pelo Oceano Pacífico. O idioma oficial é o pijin, mas o inglês também está presente. Mesmo assim, mais de 20 línguas podem ser escutadas. Na principal ilha do país, a população é de 150 mil habitantes. Nas menores e mais afastadas da região central, a população pode desenvolver sua própria língua. Nessas ilhas menores, há pouca infraestrutura e oportunidade, o que faz com que muitos jovens tentem a sorte em regiões mais populosas e desenvolvidas. E foi em Honiara, capital do país, que Juliano Schmeling encontrou jovens que cantam e fazem orações antes e depois dos treinos.

Trabalhar nas Ilhas Salomão não é o primeiro desafio que Juliano enfrentou no exterior. Natural do Rio Grande do Sul, o sonho de infância do técnico era ser jogador de futebol. Passou por vários clubes e praticou o esporte até os 19 anos, idade que marcou a entrada para a faculdade. Durante a graduação, começou a trabalhar com futsal, em Veranópolis, no interior do Rio Grande do Sul. Juliano concluiu a faculdade, fez pós-graduação e, após três anos no futsal, foi trabalhar com futebol de campo. A experiência nos gramados durou quatro anos. Depois, apareceu a primeira proposta profissional fora do Brasil.

Os habitantes das Ilhas Salomão vivem e respiram futebol. Multidões de cinco dígitos são comuns no Lawson Tama Stadium – uma conquista notável com uma população de apenas 100.000 habitantes na ilha principal.
O futsal também é, sem dúvida, um componente importante do ecossistema do futebol nas Ilhas Salomão. Mais especificamente, uma iteração externa do jogo jogado em qualquer superfície dura e plana. Apesar da umidade opressiva, ou talvez por causa dela, o futsal é muito mais popular neste país da Melanésia do que em qualquer outro lugar do Pacífico.

“O futsal é um desporto em rápido crescimento”, diz o conceituado capitão da seleção nacional Micah Lea’alafa. “Em todos os lugares que você vai nas Ilhas Salomão – todos jogam futsal.”

Tal tem sido seu domínio na Oceania que as Ilhas Salomão marcarão a sua quinta participação consecutiva no Mundial de Futsal da FIFA quando entrarem em campo na Lituânia. Aguardam-nos os jogos da fase de grupos com Marrocos, Portugal e Tailândia. Uma coisa é certa – a paixão dos habitantes das Ilhas Salomão pelo jogo e o orgulho de representar sua nação estarão em evidência, como aconteceu anteriormente no cenário mundial.

Poucas das 24 nações que vão para a Lituânia 2021 foram afetadas pela Covid-19 tanto quanto as Ilhas Salomão. Jogadores e dirigentes perderam empregos e renda, e foi negado à equipa o acesso ao único tribunal nacional padrão do país, com grande impacto nos preparativos.

Com a opção de treino em Honiara transformada em um centro de vacinação improvisado, uma rudimentar quadra de basquetebol ao ar livre é agora o centro de treinamento do Kurukuru. A qualidade das instalações usadas por muitos dos seus concorrentes é de um mundo de distância em todos os sentidos.

“A quadra nos limita a dar 100 por cento de segurança, mas até agora tudo bem e todos os jogadores estão com boa aparência”, disse Lea’alafa. “Quando treinamos em uma quadra apropriada (no futuro), podemos trabalhar no aspecto tático do nosso jogo.”

As Ilhas Salomão tiveram resultados mistos nas suas campanhas anteriores no cenário mundial. No entanto, eles conseguiram uma nota de rodapé memorável na história do Futsal com uma vitória de contos de fadas sobre a Guatemala.

“A Covid-19 realmente afetou o futebol nas Ilhas Salomão”, disse Leonard Paia, presidente-executivo da Federação de Futebol das Ilhas Salomão (SIFF).
“Temos apenas um local onde podemos disputar a Liga Nacional de Futsal. Infelizmente, nas Ilhas Salomão não temos acesso às instalações que outros países usam para treinar suas seleções para a Copa do Mundo.
“O FIFA Forward tem nos apoiado nessas áreas. Agradecemos muito o apoio que a FIFA nos deu para ajudar a desenvolver nossas atividades, o que nos permite cumprir nossos compromissos com o desenvolvimento do futebol em nosso país ”.
As Ilhas Salomão estão planeando um acampamento de treino na Austrália e, com sorte, na Europa, antes de chegarem à Lituânia e ao que é quase a parte mais distante do mundo de casa.

“A Covid-19 nos afetou e causou desemprego para alguns dos jogadores”, disse Francis Lafai, treinador assistente do Solomons. “O financiamento da Covid-19 nos apoiou financeiramente. Sem esse suporte, não poderíamos ter esses treinamentos.

As Ilhas Salomão são, por norma o representante da Oceania nos Mundias e em 2021 ditou o sorteio que seria adversário de Portugal. As Ilhas Salomão, campeãs da Oceânia, nunca defrontaram Portugal. Treinadas por Vinicius Leite, o técnico divulgou os convocados para o Lituânia 2021.






Vídeos
Jorge Braz: "Um jogo onde desde o início demonstrámos uma ambição gigantesca para vencer"
Jorge Braz quer Portugal focado em si mesmo frente à Tailândia
Ricardinho: "Os favoritos são sempre os mesmos. Vamos tentar intrometer-nos nesse lote"
Jorge Braz "É muito difícil e vai ser cada vez mais mas gostamos de coisas difíceis e é para a final que apontamos"
Nuno Dias analisa Sporting CP no arranque da temporada 2021/2022
Pulpis analisa SL Benfica no arranque da temporada 2021/2022
Jorge Braz anuncia convocados para o Mundial da Lituânia
Cascavel faz 3 golos em inferioridade numérica.
Jorge Braz analisa grupo de Portugal no Mundial 2021
Sorteio do Mundial da Lituânia
Ficha técnica | Lei da transparência | Estatuto Editorial Politica Privacidade